Foco no combate ao mosquito Aedes

Em 24 horas foram recolhidas 96 toneladas de entulho só em Ceilândia. Reforço na limpeza das cidades é uma das ações preventivas contra a dengue

Foco no combate ao mosquito Aedes
Depósito irregular de lixo continua como um dos principais obstáculos enfrentados pelo programa | Foto: GDF Presente

Uma limpeza cuidadosa por todos os cantos do Distrito Federal e o combate aos focos do mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue, estão na lista das principais tarefas do GDF Presente. Nesta semana, as cidades de Ceilândia, cidade mais populosa do DF, e de Sobradinho receberam os serviços do programa, que tem caráter preventivo e educativo.

Uma equipe da Administração Regional de Ceilândia se somou aos trabalhadores do programa em um mutirão de limpeza em áreas e terrenos públicos da cidade. São prioridade o recolhimento de entulhos e a retirada de objetos que acumulam água, potenciais criadouros do mosquito, além do combate a insetos peçonhentos como escorpiões e roedores.

“Infelizmente, nesta época do ano, as pessoas tendem a descartar esses inservíveis de forma incorreta. Então, estamos tomando uma importante medida contra a dengue”Marcelo Piauí, administrador de Ceilândia

Somente em um dia, cerca de 96 toneladas de lixo e inservíveis foram retiradas das ruas da região administrativa. Objetos como pneus, móveis e utensílios domésticos em desuso, resto de obras e embalagens plásticas compunham a maior parte do lixo retirado. Terrenos da QNM 27, em Ceilândia Norte, da Área Especial da QNP 11, e a Via P2, no Setor P Norte foram os alvos.

“Infelizmente, nesta época do ano, as pessoas tendem a descartar esses inservíveis de forma incorreta. Então, estamos tomando uma importante medida contra a dengue”, aponta o administrador regional de Ceilândia, Marcelo Piauí.

Quantidade de entulho em Ceilândia dá uma ideia do trabalho encarado pelas equipes do GDF | Foto: GDF Presente

A moradora do P Norte, Irany de Souza, 41 anos, compartilha da mesma opinião. Lembra que o Natal é um momento em que muitas pessoas trocam os móveis de suas casas por novos. Mas o descarte, infelizmente, é feito em qualquer canto.

“Quando deixamos os sofás, televisões e armários em algum terreno esse material vai atrair sujeira e doenças como a dengue. Tem gente que larga na esquina de casa. A responsabilidade é de cada morador”, alerta a ceilandense.

Paradas de Sobradinho

Em Sobradinho, a ação é mais direcionada. As paradas de ônibus da cidade, em especial o teto desses abrigos, estão sendo limpos. Uma grande quantidade de água também é retirada das estruturas. Trata-se de demanda da administração regional, que alertou para o fato de que os locais se tornaram propícios para a reprodução do mosquito.

Cume das paradas de ônibus costuma acumular muita água neste período do ano | Foto: GDF Presente

Vinte e duas lajes de paradas de ônibus nas quadras 2,4,6,8 11 e 12, situadas na Rua 1 da região administrativa, já foram completamente limpas. Na Quadra 11/13, por sinal, uma grande “piscina” se formou no teto do abrigo. Para completar, as equipes desobstruíram de canaletas e tubulações de escoamento de água.

Segundo o administrador de Sobradinho, Eufrásio da Silva, a estrutura das paradas não ajuda. “São abrigos muito antigos, onde o escoamento da água não acontece como deveria. E ainda há a queda de muitas folhas no teto das paradas. A água se acumula, o que é perigoso para a propagação do Aedes aegypti”, explica.

“Por se tratar de um lugar com grande circulação de pessoas, são importantíssimas essas medidas de prevenção”, complementa Eufrásio, para quem a estimativa é de que três mil pessoas usam o transporte coletivo, diariamente, em Sobradinho.

A equipe está aparelhada com um caminhão-pipa e um caminhão-toco, usado para recolhimento da sujeira. A limpeza geral segue até o final desta semana.

O Polo Norte do GDF Presente também efetuou a retirada de dois caminhões de entulho em Sobradinho, em frente ao Condomínio RK. A equipe do programa também iniciou o patrolamento da rodovia DF-330, localizada no bairro Nova Colina.

 

* Com informações da Administração Regional de Ceilândia